Abismo

 Hamilton Brito

 
 

“.... abismo que cavaste com teus pés.”

 

Tudo corria bem organizado na vida de Gilda.

Tudo corria bem organizado na vida de Mozart.

Viviam em lados opostos da cidade, também viviam uma realidade social diferente em função da situação econômica que os separavam e a chance que viessem a se conhecer na vida era de cem contra uma... Ganhou o uma.
Estavam bem firmes e seguros nas respectivas voltas que a vida dá quando em uma sacudidela do destino passaram a frequentar o mesmo grupo.
A princípio o comportamento de praxe, o que se espera de pessoas educadas:
-Boa noite, como vai a senhora?
_Bem, e o senhor, como tem passado.
Durante bom tempo foi assim e não foi assim mais depois que certas coisinhas começaram a acontecer, tais como, um aperto de mão mais demorado, um abraço mais apertado, um sorriso maroto não mais disfarçado.
Ah! De repente,  flagravam se olhando  em um olhar rapidamente desviado.
Em um evento do grupo no qual se confraternizavam pelo término de mais um ano, um conjunto tocava Contigo em La distância e ele a convidou para dançar.
Mas assim como num átimo a postura respeitosa e distante sumiu e os seus corpos se colaram
de tal forma que a mensagem foi plenamente entendida:
_ Eu quero você.
A atitude clássica, dos braços estendidos, foi substituída pelo recolhimento junto ao corpo, no qual o polegar dele roçava o queixo dela, a mão que a enlaçava apertava-lhe o quadril e o seu peito apertado ao dela transformou aquela dança num misto de inferno e paraíso.
Houve um primeiro encontro.  Foram a um barzinho para conversar, ouvir uma música e viram existir uma afinidade muito grande entre os dois. Não se tratava apenas de um apelo sexual.
_Mozart, eu tenho um vinho raro e quero que você o receba como um presente.
_Olha, podemos fazer melhor. Vamos tomá-lo juntos. Resta saber se na minha ou na sua casa.
-Nossa, vai ser difícil tanto na minha quanto na sua.
-Uai Gilda, por quê? Afinal, somos livres e donos da nossa vida.
-Você que pensa. Eu sou aparentemente livre. Pensam que eu sou divorciada, mas, na verdade sou apenas separada. Em minha casa tenho um filho ciumento e o meu marido, que vive com outra, me paga uma generosa pensão só para que não haja divisão de patrimônio. Se souber que estou amando alguém e quero viver com ele, por certo tomará uma atitude.
-Bem, podemos nos encontrar na minha casa, seremos discretos.
-É mesmo? Aquela vizinha sua sabe de todos os seus passos, sabe a hora que você sai e chega, qual camisa você está usando.  E ela me conhece e à minha história.
Como tinham saído no carro dela, no retorno para a casa dele, pararam mais afastados e o primeiro beijo foi trocado. Após o primeiro, o segundo. Depois do segundo... bem, não interessa mas foi intenso. Ela há muito não se entregava a carinhos íntimos. Há muito não sentia o gostoso cheiro do pecado. E aproveitou com sofreguidão. Ficaram se falando e foi tanto falo que ela foi à loucura diversas vezes.
-Mozart, precisamos dar um jeito. Não é isso que eu quero. Aliás, é isso e muito mais. Quero ir ao mundo da loucura mesmo que nunca mais eu retorne.
-Gilda, só nos resta um caminho: motel.
-Ah! Eu indo a motel... Tenho filho e amigos de filho que seguramente vão se aliviar em motéis. Não posso correr risco.
Os encontros que marcavam não davam certo, ora por impedimento dele, ora por parte dela.
Ele percebeu que ela queria, mas tinha muito medo de perder a situação que desfrutava e ele sabia que não teria condição material de substituir o outro em suas responsabilidades.
“-” Presta atenção, querida” não podemos continuar, vamos colocar os pés no chão. “ O mundo é um moinho”. Não que os nossos sonhos e desejos sejam mesquinhos, mas, serão triturados mesmo assim. Não podemos viver à beira de um abismo que estamos prestes a criar com os nossos próprios pés.

 

Créditos:


Tube Feminino:Jenniferlove
Tube Masculino- Ivonne chile
 Tube vaso:Crealine

 

(Repasse com os devidos créditos)

Voltar
 

Copyright © 2013- Todos os direitos reservados. 
Webdesigner Ângela*Poesi@
Publicado em: 18.10.2003 Atualizado em:  24.09.2013